Rosé Espumante 2009

Date

2009

Category
Espumante
Sobre o Vinho

Esta casta, não obstante originária da Borgonha francesa e os afamados vinhos que origina, tem maior representatividade na região de Champagne, do que em qualquer outra região do território francês, espelhando dessa forma, a sua apetência para a produção de vinhos espumantes.

Prémios & Menções

16/20 – Guia Vinhos Portugal 2016

Boa tonalidade salmonada, aroma evidencia uma fruta doce, do tipo morango, atractiva e capaz para aperitivo. Fino na boca, seco e de boa acidez, é um bom produto, interessante e que dará uma boa prova. O Pinot Noir funciona aqui muito bem.
João Paulo Martins
TIPO

Espumante

REGIÃO

Estremadura

SUB-REGIÃO

Lourinhã

CLASSIFICAÇÃO

Vinho Espumante Regional

COLHEITA

2009

CLIMA

Atlântico

SOLO

Franco-Argiloso e Aluviossolos Modernos

CASTAS

Pinot Noir

VINIFICAÇÃO

Método Clássico, com 2ª fermentação em garrafa e estágio em cave

ANÁLISE

Álcool 13,0 %; pH 3,06; Acidez Total 8,0 g/l Ác.Tartárico;

COR

Rosado

AROMA

Frutado, com notas de boa evolução em cave

PALADAR

Fresco, leve e delicado, com bolha muito fina, que lhe confere uma estrutura cremosa com um final prolongado

CONSERVAÇÃO

Deitado, a temperatura constante de 17ºC

CONSUMO

À temperatura de 6-8ºC

GASTRONOMIA

Acompanha bem pratos de peixe, marisco e carnes brancas

Descrição

Na Quinta do Rol, encontra as tardes de verão frescas e sem temperaturas extremas, o que favorece a casta e a expressão da mesma, e possibilita a obtenção de espumantes complexos, frescos, leves e delicados, com carácter e personalidade vincada.

Este Espumante Rosé, é elaborado segundo o método clássico, a 2ª fermentação tem lugar na garrafa e o estágio nas caves da Quinta do Rol, em contacto com as leveduras (sur lies), teve a duração de 18 meses.

A “remouage” foi manual e realizada nas tradicionais pupitres e, no dégorgement, não se procedeu à adição de licor de expedição, originando um vinho espumante extra bruto.

De coloração rosada, apresenta – se muito delicado de aroma, misturando nuances vegetais, bagas silvestres e biscoito.

Na boca, revela bolha muito fina e persistente, evidenciando boa estrutura e untuosidade, terminando fresco, seco e longo.

 

Deve ser servido frio, e fazer – se acompanhar por aperitivos, saladas, peixes e mariscos.

Ficha Técnica